Histórico


Votação
 Dê uma nota para meu blog


Outros sites
 UOL - O melhor conteúdo
 BOL - E-mail grátis
 frutos da amazonia
 iwan tirta
 Revista Casa Claudia
 Revista Casa e Jardim
 Museu Textil de Washington
 Museu textil-Canadá
 Museu de tecidos - Itália
 Museu de tecidos - Lyon
 Tai Gallery


 
Celso Lima Estamparia


TRITIK

"Tritik" é um antigo termo da língua malásia e significa "ponto amarrado", e designa um processo de estamparia de contenção por amarração antiquíssimo, sem datação precisa, mas que aparece em peles de 11.000 a.C, ou seja, final do Neolítico, já em plena revolução agrícola. O tritik é feito em todo o mundo, inclusive achados arqueológicos da América do Sul mostram que os incas utilizavam esse tipo de amarração em seus tecidos de lã, com um trabalho muito parecido com o executado pelos marroquinos de Fez em seus tapetes lanosos. Na verdade em toda a África negra a estampa em tritik, que recebe o nome de "eleko" na costa atlântica, é trabalhada nas mais diversas formas: com envoltórios, utilizando pequenas peças (contas ou palitos de madeira ou osso), amarrados e costurados, torcidos com nós e amarras, enfim, um manejo de grande riqueza criativa.

Tritik Rajastani em xale de seda pura / Celso Lima - 2008

Na Índia o tritik está presente em quase toda a estamparia por tinturaria, sendo que no Rajastão, especialmente nos tecidos da província de Gujarath, os pequenos círculos recebem apliques com vidros e metais, típicos dos bordados indianos. O tritik é um capítulo técnico importante do acervo badhnu de estamparia indiana.

Os japoneses elevaram o tritik indiano à categoria de arte têxtil em seu método kanoko-shibori (tatebiki, tsukidashi, hitta e yokobiki): com agulhas e muita maestria suas elaboradas e intrincadas estampas deslumbram os olhos.

No meu trabalho de pesquisa com os kubas no Congo encontrei um processo bastante simples de amarras com cordões, mas que resulta em belíssimos padrões, e a estamparia que ilustra esse texto é uma homenagem à esse  grupo étnico africano. O tritik é um dos processos pioneiros, senão o primeiro, da estamparia do homem e reproduz em várias dimensões e ordens o elemento mágico simbólico do "ser": o círculo, e na África essa forma traz signos de tempos arcaicos, além da geometria elementar. 

"Kubas"/2002/tritik com batik javanês sobre seda tecida à mão/Celso Lima.

acervo Anna Teresa Soubietz Franco



Escrito por Celso Lima às 18h02
[] [envie esta mensagem] []




[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]